Segundo Filho: como reagir

Psicologia

08/06/2018

Segundo filho: momento de muitas mudanças e desafios. Eu, Dr. Colbri, quero que ele seja de muitas alegrias e emoções, por isso convidei a minha amiga psicóloga, Camila Perecin, para falar tudo sobre o assunto!

A Família Cresceu. A chegada de uma segunda criança é caracterizada como um período de ajustamento, que pode ter implicações emocionais tanto para o primogênito quanto para os pais. Esse momento de transição apresenta consequências na interação pai-mãecriança e, sobretudo, na rotina de cuidados que a mãe destina ao filho, bem como no desenvolvimento cognitivo e socioemocional infantil.

A demonstração de receio e insegurança é normal por parte do irmão mais velho, uma vez que lhe é anunciada a chegada de um irmão, pois a criança que era o centro das atenções, se vê afastada deste lugar. A sua reação pode ser negativa, regredindo em algumas conquistas, como um pedido de atenção, uma vez que imagina que a perdeu.
Durante a gestação converse com a criança sobre o que está acontecendo, para que ela tenha tempo de questionar e aprenda a lidar com a situação, envolvendo-a no processo: com a preparação do nascimento do irmão, a escolha do nome, nas compras, valorizando sempre a sua opinião. Após o nascimento, deixe-a ajudar a cuidar do bebê, reforce a sua autoestima elogiando-a e, nas manifestações de ciúmes, não a castigue, converse e explique tranquilamente porque há coisas que não se podem fazer.

Todas as alterações e adaptações a fazer devem ser realizadas antes da chegada do irmão, para que a criança não sinta que está sendo afastada ou tratada de uma forma diferente pelos pais e familiares.
É fundamental que os pais reservem tempo para o seu primogênito, para que ele também se sinta importante, e não se esqueçam de que ele não só não cresceu de um dia para o outro, como não está preparado para um maior grau de exigência.

Camila Perecin
Psicóloga
CRP: 06/102529



COMPARTILHE

Facebook Twitter Mail

« Voltar