Palavrinhas de

mãe para mãe

Blog da Mamãe Colibri

Amamentação Livre Demanda

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on telegram
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Muito tem se falado em amamentação em livre demanda. Mas você sabe o que é isso? Vamos ajudar você a entender melhor esse processo e mostrar os seus benefícios.

 

7 motivos para aderir à amamentação em livre demanda

Nada melhor do que comer quando se está com fome, não é mesmo? Pois a livre demanda rompe com a dependência do relógio na hora das mamadas e garante o leite materno quando o bebê precisa.

Amamentar a cada três horas ou estipular um tempo de mamada em cada seio – essas eram as regrinhas que as mamães aprendiam já na maternidade e que acabaram desmistificadas pelo conceito de amamentação em livre demanda.

A livre demanda é preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e amplamente difundida pelo Ministério da Saúde e pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Essas entidades defendem que a amamentação não deve ser restrita aos ponteiros do relógio.

Mas você sabe o que realmente significa essa proposta? Pois nós vamos ajudar você a entender melhor o que é a livre demanda e como ela pode ser benéfica, tanto para o bebê como para a mamãe. Afinal de contas, amamentar não precisa ser difícil e a informação é a melhor maneira de garantir as mais agradáveis lembranças desse momento tão importante.

 

O que significa amamentação livre demanda?

Em 2020, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou a sua mais recente cartilha voltada à amamentação. O Guia Prático de Aleitamento Materno busca munir pediatras, residentes e profissionais da área com as principais questões sobre o tema.

O documento deixa claro que o aleitamento materno ideal começa na sala de parto e vai até, pelo menos, os dois anos da criança, devendo ser exclusivo e em livre demanda até o sexto mês. E o que realmente quer dizer esse termo que cada vez mais chama a atenção das mamães?

A definição de amamentação em livre demanda diz que a criança deve ser amamentada sem restrições de horários e de tempo de permanência na mama, sempre que sentir fome.

A ideia é o bebê mamar quanto quiser até se sentir satisfeito, o que também depende do ritmo de cada criança e da quantidade de leite disponível em cada mama. O importante é mãe e pimpolho entrarem em sintonia, de forma que o bebê regule suas mamadas de acordo com sua necessidade.

É uma proposta que coloca por terra toda aquela série de regrinhas que se ouviam sobre aleitamento, ensinando, por exemplo, a amamentar de três em três horas e determinar tempo para a mamada.

É importante ressaltar que, apesar de muito se falar sobre as tantas vantagens da livre demanda, que vamos conferir logo em seguida, ter uma conversa com pediatra é a primeira coisa que as mamães e os papais devem fazer. É o caminho para chegar à melhor decisão.

 

Os benefícios da livre demanda

Quando o bebê nasce, ele ainda está se adaptando ao mundo e tudo é muito cansativo. Portanto, é natural que ele durma bastante, até porque era o que ele mais fazia dentro da barriga. Por isso, acordar o baby para mamar pode acontecer logo após o nascimento.

Mas, os dias vão passando e o pequeno ganha peso e altura, além de se familiarizar com a nova realidade, e isso também significa que as mamadas se tornam mais regulares – é aí que entra a amamentação em livre demanda.

Na barriga, o bebê recebia oxigênio e alimento o tempo todo. Então, ele vai querer mamar mais frequentemente, o que pode fazer com que muitas mulheres fiquem aflitas. É comum acharem que seu leite é “fraco”, ou que não é produzido em quantidade suficiente para aquele pequeno ser faminto.

Calma! Em geral, um bebê em aleitamento materno exclusivo mama de oito a 12 vezes ao dia. Assim que mãe e filho entram em sintonia, o próprio bebê passa a regular suas mamadas, sempre de acordo com sua necessidade, como resultado do processo de amamentação em livre demanda.

Confira sete bons motivos para você seguir essa metodologia:

  1. Ajuda na autorregulação, pois o bebê aprende a se saciar.
  2. Contribui no controle da produção do leite materno.
  3. Os seios passam a ser esvaziados com regularidade, o que evita condições como o ingurgitamento mamário.
  4. Você está oferecendo o alimento mais completo ao seu filho. O leite materno é fundamental para evitar infecções e garantir o desenvolvimento saudável dos bebês.
  5. Cria vínculo e permite que a criança se sinta protegida e segura, já que a amamentação também está relacionada ao carinho e ao conforto.
  6. Colabora para conter a ansiedade do bebê e evita que ele machuque o seio ao ir com muita fome e vontade na hora de mamar.
  7. Pode ser um método natural para evitar uma nova gravidez nos primeiros seis meses após o parto. Com a amamentação exclusiva, é possível que o ciclo menstrual só se restabeleça quando o bebê iniciar a alimentação complementar.

 

O que mais você precisa saber sobre a livre demanda

Você vai ouvir muitos “pitacos” sobre a amamentação, ainda mais quando se trata de livre demanda. E o principal deles é que não estabelecer horários vai deixar o seu bebê mimado. Fique tranquila! Você só está suprindo o que baby precisa.

Isso sem esquecer que alimentar o bebê em intervalos regulares de três horas é indicado para os casos em que a criança está sendo alimentada com fórmulas infantis, ou quando inicia a introdução alimentar. A digestão demora mais e ela fica saciada por mais tempo.

Dito isso, vale a pena falar sobre uma das grandes dúvidas das mamães sobre a livre demanda. Como saber quando o pequerrucho quer mamar? A resposta vem, principalmente, de alguns sinais que seu filho ou filha vai dar:

  • Se estiver dormindo, antes mesmo de abrir os olhos ele começa a botar a língua fora e a abrir a boquinha. Gira a cabeça de um lado a outro, procurando o peito com a boca.
  • Se essa chamada não for atendida, ele começa a chupar os punhos.
  • Depois disso, o bebê começar a emitir uns gemidinhos que parecem miados de gatinho filhote.
  • Se ainda não for atendido, ele já começa a ficar agitado, nervoso e a fazer cara feia.
  • A etapa seguinte é o choro e, muitas vezes, fica difícil acalmar! E evitar essa ansiedade é crucial para ele não machucar o seio da mamãe.

Depois que o pequeno estiver no seu peito, dê tempo suficiente para esvaziar adequadamente a mama. Assim, a criança recebe o leite do final da mamada, que é mais calórico, fica com a barriguinha bem cheia e ocorre o maior espaçamento entre as mamadas. É um processo importante, também, para o ganho adequado de peso do bebê e para a manutenção da produção de leite.

 

Vale a pena encarar os desafios

Se estiver disposta a colher todas essas vantagens, é verdade que você vai precisar de paciência. A livre demanda tem altos e baixos. Dói, cansa, nos priva de sono e de eventos sociais. E uma rede de apoio com família e amigos se faz imprescindível.

Saber que não está sozinha é meio caminho andado para o sucesso da livre demanda, já nos primeiros dias de vida desse novo serzinho. Para produzir leite, a mãe precisa descansar e se alimentar bem. Todo esse suporte ajuda a mulher a se sentir segura e a lidar melhor com todas essas muitas emoções.

E como se aprende desde a gestação que tudo passa, o bebê vai crescendo e as coisas se encaixando e ficando mais tranquilas. No mais, conte com seu pediatra e, se necessário, recorra a ajuda de profissionais especializados em amamentação, que são excelentes apoios para encarar esse processo.

Para saber mais sobre todo esse vasto universo da maternidade, acesse o nosso blog e confira os mais diversos textos que preparamos para você!

Compartilhe suas experiências nos comentários dos artigos/vídeos e ajude outras mamães que passam pelas mesmas situações que você! #UnidasSomosMaisFortes

Receba nossos conteúdos por e-mail