Palavrinhas de

mãe para mãe

Blog da Mamãe Colibri

Bebe Nao Quer Mama

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on telegram
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Amamentar é o desejo de muitas mamães. Mas a falta de informação e a insegurança podem transformar esse sonho em pesadelo quando o bebê se recusa a mamar.

Meu bebê não quer mamar! O que eu faço?

A rejeição do bebê ao peito materno pode ter diversas causas, desde as mais simples até as que necessitam de ajuda profissional. Por isso, vou ajudá-la a entender o problema e mostrar que ele tem solução, mamis.

Amamentar é um ato de amor. Com ele, desenvolvemos paciência e resiliência, como parte do looping de emoções que acompanham as mulheres desde o início da gestação. Mas o que para muitas mamães parece fácil, para outras é um verdadeiro desafio, nos casos em que o bebê não quer mamar.

Além das fissuras nas mamas, inchaço, dores, ingurgitamento e mastite, a recusa do peito pode ser mais um obstáculo na jornada da amamentação, principalmente para as mamães de primeira viagem. Um problema que, muitas vezes, gera insegurança e frustração.

Neste artigo, vou mostrar que são várias as causas para o baby não querer mamar no peito. Também são diversas as alternativas para reverter esse quadro. Pois informação é tudo, não é mesmo?

Se você está passando por isso, fique tranquila. Vou ajudá-la a enfrentar a situação!

 

Por que devo amamentar?

Se você está com um baby na barriga ou planeja ser mãe, já deve saber que o leite materno é o melhor alimento para os recém-nascidos e crianças com até os dois anos de idade. Por ser completo, dispensa o consumo de água, sucos ou chás até os seis meses.

Segundo a Unicef, amamentar os bebês imediatamente após o nascimento pode reduzir a mortalidade neonatal, aquela que acontece até o 28º dia de vida. E não são só os bebês que saem ganhando. O aleitamento materno, na primeira hora de vida, auxilia nas contrações uterinas, diminuindo o risco de hemorragia.

São tantos os benefícios em amamentar que o ato já faz parte dos planos das gestantes. Elas preferem nem imaginar que o bebê possa recusar o peito. É por isso que tudo pode ficar bem difícil, quando a criança não quer mamar.

Se você passa por esse processo, aí na sua casa, saiba que, antes de mais nada, é preciso investigar a causa. São vários os motivos que levam à rejeição do peito pelo pequeno. Pode ser, por exemplo, um simples resfriado, ou a pega incorreta do seio.

Vamos descobrir juntas o que pode estar acontecendo?

 

O que leva o bebê a não querer mamar?

Vale salientar que a recusa não significa, necessariamente, algum problema sério. Muitas vezes, o bebê apenas não está com fome no momento, ou já mamou o suficiente. A cada mamada, ele vai se tornando expert e consegue se saciar rapidinho.

No entanto, se for uma situação persistente, a dica é manter a calma, para ajudar o seu filho. Observe todo o contexto das situações em que o bebê se recusa a mamar. Pergunte-se sobre como está o ambiente e avalie se você está relaxada para o momento. Os pequerruchos sentem nosso estresse. Então, fuja das tensões!

Além disso, eles também percebem quando acontece uma mudança na rotina, como o afastamento devido a uma viagem ou a volta da mamãe ao trabalho, por exemplo. Os pequenos radarzinhos captam tudo.

Além disso, é importante ficar de olho em outras possíveis causas.

  • Resfriados: o bloqueio do nariz e da boca dificulta a respiração e a sucção. Faça uma limpeza antes da mamada, que pode ser com um pano limpo macio ou lenço de papel em forma de canudo. Se o muco estiver seco, basta umedecer o paninho.
  • Desconforto: a recusa ao peito pode ser causada por alguma dor, como as terríveis cólicas, o nascimento dos dentinhos, uma infecção ou uma posição errada. Caso o problema for o famoso sapinho (cândida), ou estomatite, as feridinhas na boca não vão deixá-lo mamar. Há ainda o refluxo, que faz o leite retornar trazendo o ácido estomacal. Observe bem e fale com o pediatra!
  • Pega incorreta: Esse é um dos problemas mais comuns entre os recém-nascidos. Acontece quando não é possível abocanhar uma boa parte do seio para garantir uma mamada de sucesso, sem falar que pode machucar o bico. Converse com quem já tem experiência, ou procure ajuda especializada, pois existem consultoras que auxiliam na melhor posição para a mamada. Outra opção é entrar em contato com o banco de leite do hospital onde ocorreu o seu parto. Lá, também existem pessoas que vão mostrar como é a pegada correta.
  • Mamadeira e bico: o uso da mamadeira e do bico confundem o bebê, no que se refere à sucção. No caso da mamadeira, não é necessária muita força para mamar e o leite desce mais rápido. Caso ele esteja com algum problema em sugar o peito, vai preferir a mamadeira, que é mais fácil.
  • Hiperlactação: o excesso de leite materno também pode tornar o momento desagradável, devido à força do fluxo de leite. Uma alternativa é retirar o leite antes de cada mamada, para esvaziar um pouco as mamas.
  • Distrações: quando o bebê começa a ficar mais curioso, barulhos e movimentos fazem ele perder a concentração e interromper a mamada. Procure fazer com que o momento seja o mais sossegado possível.

Mas atenção! Caso a criança também apresente sintomas como vômitos, diarreia e sonolência, procure o médico.

 

Não desista. Vai dar tudo certo!

Quando o bebê não quiser mamar, não force. Abrir a boquinha ou empurrar ele contra o peito não vai ajudar em nada e só piora a situação, causando ainda mais frustração. E você sabia que algumas crianças sugam melhor quando estão com sono? Pois, é. Não custa tentar.

Amamente quando ele estiver com fome, em livre demanda, sem a imposição de horários rígidos. Tente, também, espremer um pouco de leite na boca dele, no início da mamada, para despertar o interesse e avisar da refeição.

Outra coisa que muitas mamães não sabem é que, se o bebê estiver com muita fome e ficar furioso, também pode recusar o peito. Nesses casos, espere ele se acalmar e tente novamente.

Aliás, persistência é o recado mais importante. Não desista! Embora seja uma situação nada agradável, essa recusa ao aleitamento materno tem a duração de apenas alguns dias. Segundo especialistas, dificilmente isso passa de uma semana. O que reforça a necessidade de ter muita paciência, informação e uma rede de apoio que não deixe mamãe e bebês desamparados.

Enquanto enfrenta o desafio do bebê que se recusa a mamar, procure tirar o leite manualmente, ou com a ajuda de uma bombinha, sempre em intervalos regulares e seguindo a rotina de amamentação. Isso vai manter a produção de leite e prevenir o ingurgitamento dos seios, bem como evitar a mastite.

Você também pode oferecer esse mesmo leite ao baby. Mas evite a mamadeira e use um copo ou colher para que ele continue a se beneficiar das maravilhas que o leite materno proporciona.

E lembre-se: o leite materno é mais do que uma boa nutrição para os nossos filhos. Ele é afeto, vínculo, contribui na proteção de muitas doenças, diminui as chances de asma e alergias.

Gostou do artigo? Acesse o nosso site e confira mais conteúdos como esse que ajudam a vencer os desafios da maternidade!

Compartilhe suas experiências nos comentários dos artigos/vídeos e ajude outras mamães que passam pelas mesmas situações que você! #UnidasSomosMaisFortes

Receba nossos conteúdos por e-mail